Insights #45 – edição maio 2018

Empregos antigos / Empregos novos

Muitos gurus preveem que a automatização, a robótica e a inteligência artificial vão destruir milhões de empregos e que o mundo vai ter de se adaptar a esta nova situação através da redução dos horários de trabalho, passando rapidamente a 25 horas semanais de trabalho e instaurando um rendimento universal.
Milhões de empregos poderão ser destruídos nos próximos anos, mas Schumpeter previa que são as empresas inovadoras que também criam milhões de outros empregos de conteúdo mais rico.
Os gurus alarmistas falam dos empregos destruídos mas não da generação de novos empregos criados a partir das novas tecnologias.
Façam a seguinte experiência: perguntem aos vossos filhos e amigos em que consistiam os empregos que desapareceram no fim do século XIX devido à revolução industrial – verão que não vai ser fácil defini-los!
Da mesma maneira, o que é que um homen de 1840 podia prever e saber sobre os empregos que apareceram no início do século XX?
O verdadeiro problema não é o fim do trabalho mas a necessidade urgente de repensar a protecção social e a formação permanente, para assumir dignamente a transição entre as actividades que desaparecem e as que estão a nascer.

Yves Turquin, MD
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Cinco formas de evidenciar a sua marca pessoal

Para desenvolver uma marca pessoal de sucesso os principais fatores críticos são a otimização da sua presença online e offline, criando autoridade e um estilo pessoal consistente.
A marca pessoal deve ser adaptada à medida que o seu percurso de carreira se desenvolve, mantendo-o vivo e não perdendo uma visão de big picture. Tudo o que se coloca num perfil online deve ser direcionado especificamente para a marca pessoal que se está a criar.

Cinco formas de destacar a marca pessoal:

1. Projete a sua história e use uma imagem profissional. A sua posição hoje deve refletir a história vivida sem perder o foco e a visão do futuro. Isto significa que não basta ir adicionando elementos ao CV ou perfil online, significa que deve “contar” a sua história evidenciando os objetivos atingidos e as ambições para o futuro.

2. Adicione key words que deixem claro quais são suas competências e pesquise perfis que projetem percursos similares àquele que você gostaria de vir a ter.

3. Não se limite a dizer aos outros aquilo que é, demonstre-o com exemplos. Seja autêntico, positivo e não tenha medo de, sempre que oportuno, usar o seu sentido de humor.

4. Desenvolva um elevator pitch de 30 a 60 segundos. Para começar, utilize o SoapBox!

5. Escreva e partilhe pequenos textos para começar a afirmar-se como um thought leader ou, simplesmente, faça e partilhas de artigos que estejam alinhados com sua marca pessoal.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Testemunhos de candidatos

São muitos os candidatos que passam pela Transitar, quer seja ao abrigo dum programa de outplacement oferecido pela empresa com a qual terminaram uma relação profissional, quer seja a nível individual (career coaching), para apoio e orientação em fase de mudança profissional.
Orgulhamo-nos dos resultados obtidos com estes candidatos, fruto de uma dedicação exclusiva a cada caso e trabalho individualizado desenvolvido entre os nossos Consultores e os Candidatos. Nem sempre os resultados finais serão os que ambicionávamos, mas o esforço e trabalho desenvolvido com cada um asseguram que ficam lançadas as bases necessárias para progredir na vida profissional com novas armas.
Muito nos apraz partilhar dois dos testemunhos que recebemos de candidatos que terminaram os seus programas de outplacement nos últimos meses, e que deixam um travo de orgulho e satisfação na nossa equipa pelo sentimento de trabalho bem realizado:

Alexandre Janeiro | Programa de outplacement

Quando recebi um e-mail a convocar para uma reunião de emergência no dia seguinte com a Diretora de Recursos Humanos da empresa, senti o mundo a desabar a meus pés. A fatalidade de ficar desempregado tinha finalmente chegado a mim e aos meus colegas. Fomos 7 só dessa vez e em Portugal. A nível global mais umas largas centenas a ficar sem emprego. Senti-me desamparado e traído pela empresa a quem tinha dedicado muitos anos da minha vida. Não desejo o que senti ao meu pior inimigo!
Não consigo afirmar se é da minha resiliência ou da vontade de ver as coisas de forma mais positiva, mas quando uns dias mais tarde me informaram que tinha sido incluído no “pacote de indeminização” um curso na Transitar, vi as coisas melhorarem. Já não sabia o que era mercado de trabalho há uns anos bem largos e não só tinha o curriculum vitae desatualizado como estava completamente fora dos valores e de como deveria posicionar-me no mercado e nas entrevistas. Não parei, entrevistas, reuniões de café, encontros, “elevator pitches” e muitos contactos que ativei e agradeço, não me esquecendo que todos estamos aqui neste mundo com o propósito de facilitar, de passagem, ao que, se agirmos de forma honrosa e coerente, temos o melhor das pessoas.
Consegui finalmente e após extensa busca de emprego, posição na primeira empresa que posicionei como principal para melhorar o meu lugar no mundo, não só a nível profissional mas também pessoal, e doar um pouco de mim à cultura da empresa. Sinto-me realizado e não obstante ter tido muitas dificuldades nestes longos 8 meses de busca, só retiro daqui o melhor e agradeço à minha antiga empresa a oportunidade que me deu de não só conhecer a minha mentora, como todas as pessoas maravilhosas com que me cruzei na Transitar.
Foi muito bom sentir que tinha a meu lado alguém que me ajudava nas horas difíceis e que se importava com o que pensava e tentava ultrapassar.
São mistos de emoções que sentimos quando nos comunicam que já não vamos trabalhar mais naquele local. Somos todos (humanos) animais de hábitos e por muito que tentemos renegar por vezes a nossa natureza, quanto mais seguros estamos, mais confortáveis nos sentimos e menos tendência temos em procurar a mudança.
A única ideia, ou ideias que tenho a transmitir neste momento é, não desistir nunca, procurar sempre o que queremos e seguir o que nos faz feliz!
Obrigado à Transitar por me ter ajudado e um grande bem-haja à minha mentora que não esqueço.
Obrigado!

Hugo Esteves | Programa de outplacement

Dado que o programa, que durou cerca de um ano e meio, acabou hoje, venho escrever este e-mail que serve de testemunho do que foi a minha experiência durante este período.
Em primeiro lugar quero agradecer a dedicação e empenho ao longo deste tempo, durante o qual acompanhou de perto as minhas mudanças; estas teriam tido outra luz, menos brilhante, caso não nos tivéssemos cruzado e estado juntos neste percurso. A vida tem dado muitas e interessantes voltas, tenho tido grandes desafios, tenho-me posto à prova inúmeras vezes e durante as nossas sessões, e por vezes também ao telefone e por e-mail, sempre me ajudou a ver esses momentos com uma perspetiva vencedora, otimista, mais clara e objetiva – e isso foi, sem dúvida, um grande suporte. Foi muito interessante trabalhar consigo os exercícios que, apesar de difíceis e estranhos muitas vezes, me permitiram olhar mais para dentro e perspetivar o futuro com outros olhos, com esperança num futuro, no mínimo, “fotogénico”. Foi consigo que comecei a dar os primeiros passos no MBA e na procura de soluções para a minha carreira pós MBA (e mestrado, e tese, e etc.). Foi consigo que trabalhei o foco, perturbado pelas minhas inúmeras ideias e gostos, para conseguir arrancar com os meus projetos de empreendedorismo. Foram, também, marcantes os momentos em que me ajudou a olhar de dentro para fora, por forma a construir um futuro mais sustentável para a minha felicidade e estrutura de vida. Levo ensinamentos que espero que sejam para a vida. É sempre bom estar em contacto com outros modos de pensar (se estivermos abertos a isso, claro) e foi gratificante, e uma lufada de ar fresco em muitas alturas, poder contactar com o seu.
Em segundo lugar, o meu agradecimento sincero à Transitar, onde sempre me receberam de braços e abertos e sorriso rasgado, desde o primeiro segundo, desde o acolhimento até todos os consultores com quem tive o prazer de me cruzar nos workshops que realizei. Sempre muito profissionais e com um interesse genuíno no que fazem, inclusive com um mindset na sua própria formação contínua, os colaboradores da Transitar são o grande ativo da empresa, e a sua dedicação é de louvar.
Despeço-me com um até já, porque tenciono fazer umas visitas de vez em quando à Transitar, pois a ligação emocional ficará, já que foi onde começou a minha transição de carreira e, no fundo, onde comecei uma nova e grande fase da minha vida. Nesta minha nova fase empreendedora, talvez um dia colaboremos num projeto comum – quem sabe?  E estive a pensar… Não vou fazer o que mandou: não vou pedir ao cérebro que se desligue porque, dele, ainda virão muitos e grandes feitos, e lembrar-me-ei sempre de si em cada um deles. Fecha-se um ciclo, não se abrem muitos – abrem-se os certos, pouco a pouco, com perseverança, um de cada vez.
Obrigado e até breve!